Índices de interrupção de energia caíram 38% na duração e 65% na frequência 

Marcado por alta incidência de raios e ventos fortes, que ultrapassam 60 km/h, o período chuvoso em Mato Grosso, iniciado em outubro e que deve perdurar até março, tem impacto direto no sistema elétrico, já que as condições climáticas podem provocar o desabastecimento de energia.

Para evitar transtornos, a Energisa tem investido fortemente em manutenção das redes de distribuição, tecnologias e equipamentos automatizados. Estes investimentos permitem manobras diretamente do Centro de Operação da distribuidora, garantindo segurança à população e agilidade na recomposição do sistema.

Inspeções periódicas nas redes feitas com helicópteros, drones e equipes de manutenção trabalhando 24 horas por dia, sete dias por semana, preparam o sistema para o período de chuvas, diminuindo os transtornos à população e as taxas de Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FEC) e de Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (DEC).

“De abril de 2014, quando assumimos a operação, até setembro deste ano, houve uma redução expressiva de 11,1 horas (38%) em DEC e 14,4 vezes (65%) em FEC,  o que ratifica o esforço da distribuidora para garantir, cada vez mais, segurança energética a toda a região. E desde junho, temos batido recordes históricos nesses indicadores”, comenta o gerente de operação Fábio Lancelotti.

Para ancorar esse trabalho, a Energisa conta com uma ferramenta de Alerta de Situação Climática, criada pelo Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), em parceria com a Aneel e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que monitora previamente e em tempo real os 11 Estados que a concessionária está presente.

Outra medida para enfrentar as emergências desse período chuvoso e minimizar os efeitos, é o plano de contingência, que uniformiza as ações necessárias para que a empresa atue com agilidade diante das situações adversas como tempestades, queda de árvores, erosões, dentre outras situações que causam impactos ao sistema elétrico.

Nessas situações, a Energisa reforça  o número de equipes em campo, como aconteceu no último dia 23 de outubro, em Cuiabá, quando uma tempestade severa gerou um fenômeno climático denominado microexplosão, com ventos de 60 km/h, que causou estragos comprometendo o abastecimento elétrico em diversos pontos.

 “A empresa conta com equipes que são periodicamente treinadas e mobilizadas para atender à população o mais rápido possível em casos de interrupções de energia, além de recursos e equipamentos necessários para o enfrentamento dessas situações, garantindo o restabelecimento de energia o mais rápido possível com segurança e eficiência”, destaca Fábio.    

Durante essa temporada de tempestade,  é  sempre importante lembrar que a população precisa tomar alguns cuidados para se proteger. Confira no quadro abaixo dicas de segurança: