Referência em inovação e em soluções sustentáveis, Grupo celebra aniversário de fundação.

Em 1905, não existia telefone, não existia filme colorido para máquina fotográfica, muito menos avião ou televisão. O homem ainda não tinha pisado na Lua, declarado duas grandes guerras mundiais, inventado o computador, a pílula anticoncepcional, a guitarra elétrica, a internet, o liquidificador. Mas, em 1905, na cidade de Cataguases, zona da mata mineira, José Monteiro Ribeiro Junqueira, João Duarte Ferreira e Norberto Custódio Ferreira fundaram a Companhia Força e Luz Cataguazes-Leopoldina, hoje Grupo Energisa, que em 2022 completa 117 anos de história.

– Eles eram pessoas muito à frente da época. Inovadoras. Esse é o DNA da nossa empresa. Para se ter uma ideia, a Cataguases-Leopoldina foi fundada antes da Light, que viria a ser a empresa elétrica do Rio de Janeiro, então capital federal – conta Ivan Botelho, presidente do Conselho de Administração do Grupo Energisa, do qual faz parte há 65 anos.

Ivan Botelho, presidente do conselho de administração do Grupo Energisa

O maior grupo privado de capital nacional do setor elétrico brasileiro em número de clientes (são mais de 20 milhões de pessoas atendidas pela empresa), a Energisa passou, em mais de um século de vida, por transformações socioeconômicas e comportamentais sem precedentes. Atravessou recessões, inúmeros racionamentos, crises políticas globais, alternâncias de poder e a inacreditáveis 9 mudanças na moeda nacional.


– Foram muitas as novidades ao longo desses anos todos. Um fato que me marcou muito foi quando compramos o primeiro computador da empresa – recorda Botelho. – Era um computador a válvula, que esquentava muito, super lento, ocupava um espaço enorme. Mas aquilo foi uma revolução. Antes, as contas de luz eram tiradas numa máquina manual, como uma espécie de carimbo.

De lá para cá, a Energisa se tornou referência em inovação e em soluções sustentáveis e transforma energia em conforto, em desenvolvimento e em novas possibilidades de geração de energia limpa, com o menor impacto ambiental possível.


– Não estamos pensando no amanhã. Estamos pensando o que vai ser o sistema de energia elétrica daqui a 20 anos – diz Botelho. – E estamos nos preparando física e mentalmente para isso. Porque é preciso mudar a cabeça. Quando entrei, em 1957, a mentalidade era apenas fornecer energia. Desde que tivesse energia, estava bom. Hoje, é muito diferente.

Inovadora, sustentável, eficiente, brasileira e comprometida com o país e sua gente, a Energisa tem consciência de sua responsabilidade em relação às regiões em que atua. Ao todo, o Grupo controla 11 distribuidoras em 11 estados: Paraíba, Sergipe, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Paraná, São Paulo, Rondônia e Acre. Por isso, ao longo dos anos, promove investimentos socioambientais constantes, criando e desenvolvendo projetos sociais, econômicos e culturais nas comunidades em que está presente.


– Numa empresa, você não pode ficar estável. Você tem que ficar instável. Em agito. Não pode ficar amarrado ao passado. O passado serve como exemplo de como fazer, ou de como não fazer as coisas. Serve para ter um pouco de glória, celebrar as conquistas. Mas o nosso objetivo é sempre o futuro – afirma Botelho. – Ano passado foi muito bom? Ótimo. Mas este ano é outra coisa. Este ano é o futuro. E o ano que vem é o outro futuro. Então, temos que ter esse objetivo: estar em estado de instabilidade. Sempre procurando o futuro.