A concessionária acompanha crescimento da economia do estado, um dos destaques no agronegócio brasileiro, e expande sua rede.

Em dezembro, pouco antes do Natal, Irailde de Souza Carvalho comemorou a chegada da ligação de energia elétrica na casa própria, de três cômodos, onde vive com o marido. Dona Nina, como é conhecida onde mora, representou a chegada ao número de 1,5 milhão de clientes da Energisa em Mato Grosso.

O dia da entrega oficial da ligação de energia contou com a presença de toda a diretoria da Energisa Mato Grosso, que entregou à quituteira um kit de placa solar para ajudá-la nos preparos na cozinha e ainda abastecer a bateria da bicicleta elétrica – outro presente da companhia.

“Minha vida vai mudar muito daqui para a frente. Eu que sonhava em não ter mais que pagar aluguel, agora vou poder também ter mais tranquilidade para trabalhar”, disse Dona Nina. Em homenagem aos clientes, a Energisa fez a doação de 1,5 tonelada de alimentos às famílias vulneráveis que vivem no bairro Boa Vista II, em Cuiabá. Os colaboradores da empresa participaram da ação.

A Energisa assumiu a concessão de energia elétrica em Mato Grosso em março de 2014. Na época, atendia a 1.229.695 clientes. Nesse período à frente da operação, a carteira de atendimentos cresceu 22%. A diferença entre os números de 2014 e a marca de 1,5 milhão de endereços equivale à população de Várzea Grande, na Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá. 

“Com mais de 900 mil quilômetros quadrados e mais de três milhões de pessoas, Mato Grosso não para de crescer. A rede elétrica precisa acompanhar esse ritmo”, diz o diretor-presidente da Energisa Mato Grosso, Riberto José Barbanera.

O crescimento do atendimento em Mato Grosso é reflexo da expansão consistente da economia do Estado e dos investimentos feitos pela Energisa para atender ao aumento da demanda. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) comprovam esse comportamento e seus reflexos. Em 2018, o Produto Interno Bruto do estado teve um aumento de 4,3% em relação ao desempenho do ano anterior e chegou a R$ 137,443 bilhões, acumulando 16 anos consecutivos de alta. Enquanto o PIB per capita de 2010 era de R$ 4.722,31, o de 2018 (dado mais recente) chegava a R$ 8.996,46.

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal também confirma como a geração de riqueza tem refletido na vida da população. Desde 1990, o IDHM segue em trajetória de alta. Como mostrou a Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), em parceria com o IBGE, a economia mato-grossense avançou 12,1% em 2017, a maior taxa de crescimento do PIB em volume entre as unidades da Federação.

Nesse contexto econômico favorável, a energia ganha um papel ainda mais importante. Em seis anos em Mato Grosso, a Energisa investiu cerca de R$ 4 bilhões. Por exemplo, na construção de cerca de 1,2 mil quilômetros de linhas e 17 novas subestações, além da ampliação e da modernização de 60 subestações. Só na incorporação de redes elétricas foram aportados por volta de R$ 400 milhões. O plano de investimentos – que incluiu a manutenção e a modernização da rede elétrica e a renovação da frota de veículos – contemplou os 141 municípios do estado.

Um dos exemplos de melhoria são as obras estruturantes para receber novos clientes, com a ligação de Rondolândia e Paranorte ao Sistema Interligado Nacional (SIN). A melhoria permitiu que os moradores da região passassem a ter energia limpa e confiável. Ainda segundo Barbanera, os investimentos foram planejados com o propósito de dar ao estado a estrutura necessária para manter o desenvolvimento econômico e social. “Hoje temos confiabilidade para que novas empresas venham investir no estado e mais famílias possam ter o conforto da energia elétrica em seus imóveis.”