Grupo concluiu 20 projetos que garantem mais economia, segurança e sustentabilidade

Em 1993, um adesivo colorido passou a fazer parte de todo eletrodoméstico vendido no país: o selo Procel de Economia de Energia. A ideia é que, através dele, o consumidor consiga saber, de forma simples, quais equipamentos à disposição no mercado são os mais eficientes e que consomem menos energia. Uma grande mudança para auxiliar a conscientização da população a respeito do gasto de energia. Mas economizar apenas em casa não é suficiente. Para que a vida no planeta se torne de fato mais sustentável, é preciso que instituições e espaços públicos também recebam a mesma dedicação.  

Por conta disso, todo ano o Grupo Energisa realiza uma chamada pública para a realização dos projetos do Programa de Eficiência Energética (PEE) promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). O objetivo é promover o uso eficiente da energia elétrica por meio de projetos inovadores. Este ano, a empresa acaba de concluir a primeira fase dos projetos de PEE que as distribuidoras do Grupo realizaram em 2022 junto com o poder público, comércio e comunidade. Ao todo, mais de R$ 5,5 milhões foram investidos nesta etapa do programa, contemplando um total de 20 projetos nos estados do Acre, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba e Rio de Janeiro.

Entre os órgãos beneficiados, estão prefeituras de diversas cidades, através da modernização de sistemas de iluminação pública com lâmpadas de LED, e escolas, que recebem sistemas fotovoltaicos de geração de energia solar.

– Os projetos, aprovados e regulamentados pela ANEEL, têm como objetivo promover o uso eficiente da energia elétrica e gerar economia, segurança e proporcionar a sustentabilidade dos municípios, escolas, hospitais ou comércios beneficiados – explica Thiago Peres de Oliveira, Coordenador de Eficiência Energética do Grupo Energisa. 

Thiago explica que, durante a chamada pública anual, são levados em conta alguns critérios para a seleção dos projetos inscritos. Um dos parâmetros utilizados pela ANEEL, por exemplo, é o de que 50% do investimento de cada região precisa ser destinado às duas classes de maior consumo de energia daquela distribuidora, como poder público, comércios e serviços, residencial ou industrial. 

Ainda segundo Thiago, não são apenas os espaços públicos que recebem a contrapartida da distribuidora – estas, sem fins lucrativos. Há também a categoria com fim lucrativo, em que empresas podem se inscrever para a troca de sua iluminação por recursos mais econômicos e modernos, troca de motores, retornando o valor economizado à Energisa – que, por sua vez, reinveste o montante exclusivamente nos projetos de PEE.

Apenas na categoria Iluminação Pública, a Energisa investiu R$ 2,8 milhões nesta primeira fase, através da substituição de luminárias obsoletas por LEDs – mais modernas, com maior capacidade de iluminação e menor consumo de energia elétrica. Foram 7 cidades contempladas no Acre, entre elas, Assis Brasil, Plácido Castro, Tarauacá e Xapuri; e 5 municípios de Mato Grosso do Sul, como Itaquiraí, Bandeirantes e Paranhos que, juntas, terão uma economia prevista de 332 MWh/Ano, ou o equivalente a um total de 139 residências (considerado um consumo de até 200 MWh/mês).

Caminhão está com cesto aéreo levantado para eletricista que está dentro dele trocar a lâmpada de Iluminação Pública por outra mais econômica. No caminhão, frase escrita em faixa revela que é uma obra de eficiência energética.
Modernização da iluminação pública em Tarauacá (AC)

Já na tipologia de iluminação em instituições do Poder Público, o montante chegou a R$ 2,7 milhões, com destaque para o Mato Grosso, com o projeto de iluminação das escolas estaduais de Araputanga e para a Fundação Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT) de Tangará da Serra, onde foram trocadas um total de 1.167 lâmpadas convencionais por LEDs e instalados sistemas fotovoltaicos. 

Espaços de lazer e convivência da sociedade, as praças públicas representam uma fatia importante do Programa de Eficiência Energética da Energisa. Um exemplo é a Parque do Povo, em Campina Grande (PB), que teve a iluminação pública modernizada este ano pela Energisa, a tempo de receber os festejos do “maior São João do Mundo”. É o caso também da Praça Esportiva Belmar Fidalgo, em Campo Grande (MS). Finalizada em 31/5, a reforma custou R$ 255 mil e teve 153 luminárias, projetores e lâmpadas substituídos por LEDs, numa economia estimada em 28 MWh/ano, ou o equivalente ao gasto de energia de 12 residências  que consomem até 200 MWh/mês. Além da economia de energia do local, a reforma também visa proporcionar mais segurança aos frequentadores do espaço:

– Durante a obra, aproveitamos para tratar todos os pontos de penumbra. Agora, a praça conta com uma iluminação mais eficiente e, por isso, ficou até mais claro, o que traz segurança para quem opta por fazer atividades físicas à noite, por exemplo – destaca Marcelo Vinhaes, diretor-presidente da Energisa em Mato Grosso do Sul.

Dois adolescentes com uniforme de time de vôlei conversam em banco da praça, com holofotes bem iluminados ao fundo.
Praça Esportiva Belmar Fidalgo, em Campo Grande (MS)

Ainda dentro dos projetos da categoria Poder Público, foram investidos R$ 740 mil na eficientização energética dos sistemas de iluminação e condicionamento de ar da Base Naval de Ladário, no Mato Grosso do Sul, localizada à margem do rio Paraguai. Com as trocas, espera-se uma economia de 255 MWh/ano, ou o equivalente a um total de 107 residências que consomem até 200 MWh/mês.

– Ficamos extremamente felizes em poder contribuir com a economia de energia e de locais públicos importantes. Esses são benefícios que, além de ajudarem esses espaços a economizar a energia, vão em direção à sustentabilidade, pilar fundamental dentro do Grupo Energisa – diz Thiago.

Infográfico com total de investimento em eficiência energética por estado.