Graças ao projeto Ilumina Pantanal, famílias pantaneiras poderão celebrar as festas à  noite pela primeira vez

O fim do ano chegou e as luzes de Natal já estão acesas em todo o mundo. Brancas ou coloridas, com seus piscas-piscas em diversas velocidades, elas carregam a magia natalina e encantam gerações. Mas há quem esteja vivendo essa experiência pela primeira vez. Os moradores da região do Paiaguás, no Pantanal, até hoje, celebravam o natal de dia por não contarem com energia elétrica em suas casas.

Este ano, a realidade mudou. Com a chegada da Energisa e do projeto Ilumina Pantanal à região, o natal será celebrado à noite com tudo que se tem direito: ceia, confraternização, famí­lias reunidas e piscas-piscas. “Esse projeto iluminou a minha vida e vai iluminar a vida de todo esse Pantanal de meu Deus”, comemora Divino de Souza, de 46 anos, que pela primeira vez instalou as luzes natalinas em sua casa de madeira, onde mora com a esposa e dois filhos.

Do lado de fora da casa, a vida também mudou. “Só quando era lua cheia e o céu estava limpinho, a gente podia ficar no quintal. Agora é só felicidade, fico feliz de ver meus filhos brincando, jogando bola com tudo iluminado” celebra o morador de Paiaguás.

A chegada da energia também trouxe mais segurança para a vida da família Souza. “Agora a gente pode tomar banho à noite, antes tinha que ser antes da luz cair porque aqui tem serpente, tem boca de sapo, era perigoso demais”, afirma Divino.

Para a celebração de Natal, mais uma novidade: Divino realizou o sonho de ter a primeira geladeira na vida. É que além de levar energia aos pantaneiros, a Energisa também iniciou a doação de 600 refrigeradores a famí­lias de baixa renda do Pantanal por meio do Projeto de Eficiência Energética, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Conheça mais sobre o projeto Ilumina Pantanal aqui.

O gerente do Projeto Ilumina Pantanal, Heber Selvo, se emociona ao ver os resultados do projeto. “Nós vimos uma famí­lia abraçando uma geladeira. Tivemos que ensinar as pessoas a usar lâmpadas, explicar aos moradores da casa que não se pode colocar o dedo na tomada. O sentimento é de realização pessoal e profissional ao ver o sorriso e até mesmo as lágrimas de emoção dos pantaneiros por ter energia em casa”, destaca.