Religador monofásico é o primeiro produto desenvolvido por meio do programa de P&D a ser comercializado pela Energisa. O equipamento pode melhorar os indicadores de continuidade em 70% nos trechos em que foi instalado.

Com o objetivo de ampliar seus investimentos em inovação e diversificar o seu portfólio de produtos e serviços, a Energisa acaba de inaugurar uma fábrica dos religadores monofásicos em Atibaia (SP) em parceria com a HartBR, desenvolvedora do equipamento e responsável pela sua fabricação e comercialização. O empreendimento é resultado de um projeto de pesquisa que criou um novo modelo de religador, totalmente diferenciado do que já existe no mercado. 

Além de ser uma solução inovadora, os equipamentos diversificaram os negócios da Energisa. A empresa utiliza os religadores em suas distribuidoras e passou a comercializá-los para outras concessionárias que atuam nos mercados brasileiro e estrangeiro. 

Desenvolvido com tecnologia de ponta, o religador Rocket 1 é o primeiro produto comercial da Energisa criado a partir de recursos do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O novo equipamento tem por objetivo proteger o sistema elétrico, ao isolar trechos onde ocorreu a falta de energia de outros pontos da rede, e permitir, assim, o fornecimento do serviço nestas outras áreas. Desta forma, a instalação dos religadores melhora a qualidade da prestação do serviço de distribuição de energia para os clientes. Adicionalmente, sua aplicação garante a melhoria dos indicadores de continuidade do serviço na faixa de 60% a 70% nos pontos onde ele é instalado. 

O modelo desenvolvido também tem outras vantagens: é disruptivo em relação aos disponíveis no mercado, principalmente, ao possibilitar a operação remota por meio de um rádio embarcado no próprio equipamento, sem a necessidade de utilizar nenhum componente adicional instalado no poste. Além disso, armazena energia em supercapacitores, que diferentemente de baterias, foi projetado para ter o mesmo tempo de vida útil do equipamento e não requer substituições periódicas.  Estas duas características reduzem consideravelmente os custos de manutenção a ser realizada pelas concessionárias. Outro aspecto muito importante do equipamento, que o diferencia dos seus concorrentes, é que após suas operações e tentativa de religamento de energia ele não se desconecta fisicamente da rede, o que permite ao operador do sistema enviar comando remoto ao religador e reestabelecer o fornecimento de energia à distância mais rapidamente, evitando assim, a necessidade de envio de uma equipe ao local de instalação do equipamento. Desta forma, os custos operacionais do serviço podem ser reduzidos.

“A inovação representa um avanço para que a energia seja um bem universal e acessível para todas as pessoas e que também seja responsável com o planeta. O novo religador representa uma solução concreta para melhorar a gestão da rede de distribuição e consequentemente a qualidade do serviço prestado aos nossos clientes. Adicionalmente diversifica as oportunidades de negócio com a comercialização de produtos”, afirma Alexandre de Castro, Gerente de Inovação da Energisa. 

Alexandre de Castro explica que na nova fábrica, a Energisa pratica a montagem e realiza os testes de produção dos religadores, que já foram comercializados para empresas do Brasil e de outros países. Há contratos com distribuidoras na Colômbia, México, Costa Rica, Portugal, Espanha, Reino Unido, Moçambique e Angola. A Energisa também está firmando parceria para distribuição dos produtos nos Estados Unidos e Canadá.

“Estamos muito orgulhosos desse projeto, uma vez que o desenvolvimento do equipamento criou condições para a inauguração da fábrica.”, completa. A unidade tem capacidade de produzir até 250 religadores por mês e em 2022 irá dobrar a linha de montagem para atender o mercado nacional e internacional. A partir de um produto inovador desenvolvido pela Energisa, a empresa espera ampliar o portfólio de serviços para novos mercados. 

Até momento, a Energisa comercializou mais de 500 produtos, no Brasil e exterior, com projeção de dobrar o volume de vendas em 2022. Concessionárias de energia do Grupo também estão utilizando o equipamento. Entre os estados onde a empresa atua em distribuição e que já contam com os equipamentos estão: Tocantins; Minas Gerais; Mato Grosso; Mato Grosso do Sul; Sergipe e Acre.