Concessionária tem buscado soluções para situações vivenciadas pelos clientes; R$ 2,3 bi foram investidos no período

Desde que assumiu a concessão em Mato Grosso do Sul, há oito anos, a Energisa já investiu R$ 2,3 bilhões em obras de infraestrutura que beneficiaram os 74 municípios atendidos. Além de buscar continuamente oferecer um serviço de qualidade a todos os consumidores, a concessionária tem atuado para oferecer as melhores condições para o fortalecimento e expansão do agronegócio.

Para 2022, está previsto, ainda, investimento recorde no Estado: R$ 620 milhões. O foco é na melhoria da qualidade e estruturação das redes rurais através da construção de oito novas subestações. 

Um dos exemplos é o Projeto Cerrado, da Suzano Papel e Celulose. Considerado a maior planta de celulose do mundo, com investimento de R$ 19 bilhões, o complexo está em fase de construção em Ribas do Rio Pardo, distante 97 quilômetros de Campo Grande.

Um dos grandes desafios para a instalação da fábrica era o fornecimento de energia elétrica. O complexo precisava ser conectado ao sistema de Alta Tensão para atendimento a uma carga de 100MW e exportação de 200MW, tornando-se o maior consumidor em demanda da Energisa em Mato Grosso do Sul.

A concessionária antecipou análises técnicas e estratégicas e, junto com a própria Suzano, EPE (Empresa de Pesquisa Energética), ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e transmissora, conseguiu um parecer técnico do Operador Nacional com uma solução inédita de conexão.

“Temos investido de forma robusta em Mato Grosso do Sul para que o consumidor final sinta diferença no serviço prestado. Isso já tem se traduzido em números. Já tivemos a redução de 21% da média de horas que o cliente ficou sem luz (indicador DEC) e queda de 41% no número de vezes que o fornecimento foi interrompido (indicador FEC). Em paralelo a esse trabalho de qualidade, temos atuado para oferecer soluções para os investimentos que aportam em Mato Grosso do Sul. Com soluções inovadoras e, principalmente, rápidas, temos contribuído para o fortalecimento da economia sul-mato-grossense, em especial do agronegócio. Neste ano, nosso foco é melhorar as redes rurais”, afirma o diretor-presidente da Energisa em Mato Grosso do Sul, Marcelo Vinhaes.

Por meio do PEE (Programa de Eficiência Energética), a empresa também tem investido no Estado, com a promoção do uso eficiente e seguro de energia elétrica, por meio de projetos que geram economia para diversos setores da sociedade. Desde 2014, já foram investidos R$ 78,85 milhões. Para este ano, serão aportados mais R$ 11,79 milhões em obras, por meio do PEE.

Como ações educacionais, o Projeto de Eficiência Energética “Espaço Energia” tem levado orientação à população sobre o uso eficiente e seguro de energia elétrica. O espaço oferece aos visitantes a oportunidade de se familiarizar com os princípios da física e com a história da eletricidade, com o suporte de maquetes, protótipos, sala de vídeo, sala de recreação, experiências audiovisuais, exposição de obras de artistas locais. Além disso, tem um espaço que faz o contraponto de uma residência antiga e outra atual para comparar consumo e tecnologia.

O projeto “Nossa Energia”, desenvolvido para as comunidades de baixo poder aquisitivo, tem estimulado o uso eficiente e seguro de energia elétrica em todos os municípios da área de concessão da Energisa em Mato Grosso do Sul. São ações educacionais voltadas para a consciência de combate ao desperdício e para a mudança de hábitos.

Todos os consumidores cadastrados na TSEE (Tarifa Social da Energia Elétrica) e classificados como Baixa Renda podem fazer a troca de lâmpadas incandescentes e/ou fluorescentes compactas por lâmpadas LED, além de participar de palestras, peças teatrais e dinâmicas realizadas nas duas Unidades Móveis Educacionais da Energisa.

A Energisa também tem reforçado seu compromisso com a cultura local por meio de investimentos, via Lei de Incentivo à Cultura. Desde 2016, já foram investidos mais de R$ 1,1 milhão em projetos culturais. Documentário e filmes, festivais literários, oficinas de canto são alguns dos projetos beneficiados.

Iniciativa reconhecida mundialmente

Encabeçado pela Energisa, o Ilumina Pantanal se tornou referência ao levar energia elétrica a locais remotos. A iniciativa, que conta com a parceria da Aneel, MME (Ministério de Minas e Energia) e Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, foi premiada internacionalmente na categoria de melhor Projeto Solar (Solar & Storage Live 2021).

O Ilumina Pantanal ainda antecipou, em dois meses, a entrega da primeira fase do fornecimento de luz por fonte solar às famílias beneficiadas. Mais de 2,1 mil unidades consumidoras foram beneficiadas pelo programa. Destas, 77 famílias foram atendidas por rede de distribuição convencional, e 2.090 clientes por meio do SIGFI (Sistema Individual de Energia Elétrica com Fonte Intermitente), cuja fonte de energia é solar e 100% renovável. Até o fim deste ano, serão atendidos, pelo menos, mais 736 famílias e fazendas na planície pantaneira.

A iniciativa recebeu investimento de R$ 134 milhões por parte da Energisa e beneficiou uma área de 90 mil km², que engloba os municípios de Corumbá, Aquidauana, Coxim, Ladário, Porto Murtinho, Rio Verde e Miranda.

“O Ilumina Pantanal é motivo de muito orgulho para nós. Conseguimos levar energia elétrica às áreas mais remotas do Pantanal e garantir uma transformação de vida para centenas de famílias ribeirinhas, que viviam sem energia elétrica. O salto na qualidade de vida destas famílias é extraordinário. Agora, eles têm acesso à água gelada, ventilador, geladeira e freezer para armazenar o pescado, por exemplo. E tudo isso foi garantido, conquistado, sem colocar o meio ambiente em risco. É uma iniciativa transformadora e com impacto zero à natureza. Levamos energia limpa aos rincões do Pantanal”, afirma Vinhaes.

Além de energia, a Energisa também tem levado iniciativas sociais ao interior do Pantanal, com distribuição de roupas e alimentos, além da doação de 600 geladeiras que serão entregues ao longo deste ano por meio do Programa de Eficiência Energética. A empresa também tem patrocinado projetos socioambientais, como o “Agroflorestas”, do IHP (Instituto Homem Pantaneiro), desenvolvido na Serra do Amolar.

Posicionamento pela vida

Em 2021, a Energisa, maior grupo privado de capital nacional do setor elétrico, passou a integrar o Unidos pela Vacina, movimento da sociedade civil que reuniu lideranças empresariais e entidades do setor privado, com o objetivo de tornar viável a vacinação de todos os brasileiros até setembro do ano passado. Nacionalmente, o grupo disponibilizou R$ 2 milhões em equipamentos para conservação de imunizantes.

Em Mato Grosso do Sul, a Energisa e a Fiems (Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul) encabeçaram a iniciativa, lançada em abril do ano passado. Além de disponibilizar R$ 320,4 mil em equipamentos com eficiência energética para conservação de vacinas, a empresa também assumiu a responsabilidade de articular e impulsionar outras iniciativas, como doações.

“O Unidos pela Vacina, com certeza, foi um marco durante a pandemia do novo coronavírus e nos provou que, juntos, unidos, podemos conseguir muito mais. Ficou claro que, com o avanço da vacinação em todo o Estado, o número de mortes causadas pelo vírus começou a cair. Esse, para nós, é o grande trunfo: preservar vidas”, afirma o diretor-presidente da concessionária em Mato Grosso do Sul.