Documentário lançado hoje registra o processo de implementação da usina fotovoltaica na Vila Restauração e seu impacto no cotidiano dos moradores

Sonho sonhado há muito tempo, quando se realiza, parece mentira. Tem que se beliscar toda hora para ver se é verdade. É o que está acontecendo com a dona de casa Maria Ivone Cunha há alguns meses. No lugar do beliscão na própria pele, o interruptor na parede. Durante o dia, ela liga e desliga o mágico botão da sala de casa para comprovar a si mesma que sim, a luz daquele sonho acende sempre que ela duvidar.

Maria Ivone é moradora da Vila Restauração, comunidade ribeirinha localizada na Reserva Extrativista do Alto Juruá, encravada no coração da Floresta Amazônica, no Acre. O município mais perto, Marechal Thaumaturgo, fica a 70 quilômetros. Para chegar até lá, são necessários pelo menos três dias de viagem e três meios de transporte: avião, carro e balsa.

Até o final de 2021, o posto médico, o armazém, a igreja, a escola, a casa de Maria Ivone e outras 169 residências permaneciam a maior parte do tempo no escuro. Energia elétrica, quando havia, era por no máximo três horas por dia aos custos de geradores – que teimavam em quebrar. Não brincava-se, lia-se, cozinhava-se ou assistia-se à televisão à noite na Vila Restauração. A maioria das 750 bocas sem nunca ter experimentado o luxo de um copo d’água gelado.

O cotidiano da Vila mudou radicalmente quando, em outubro do ano passado, a Energisa implementou e inaugurou uma usina fotovoltaica com 600 painéis solares e baterias, garantindo o fornecimento de energia elétrica 24 horas por dia aos moradores.

“Tem hora que eu até duvido… Eu não acredito que isso está acontecendo! É uma alegria muito grande. Um sonho realizado.”

Foto mostra cozinha de uma casa na Vila Restauração com três moradores e um freezer novo ligado por causa da nova rede elétrica

O depoimento de Maria Ivone (e de outros tantos moradores) está presente no curta documental sobre o projeto da Vila Restauração, lançado hoje pelo Grupo Energisa e disponível no link https://youtu.be/3m5ffJHcP5A. Nas imagens, uma criança que comemora a brincadeira agora iluminada, um comerciante feliz ao armazenar a carne no freezer, uma mulher planejando a carreira de microempreendedora, uma enfermeira aliviada em poder estocar vacinas com segurança. Com direção de Jack Motta, o filme é o registro palpável de um sonho materializado – e do incrível impacto que ele provoca na vida de uma comunidade.

– A emoção que senti ao filmar esse projeto foi enorme. A luz ali não representa apenas a eletricidade que chegou nas casas das pessoas, mas na vida delas. Luz no sentido espiritual. Vidas foram iluminadas, em todos os sentidos – reflete a diretora.

Para realizar o documentário, Jack contou com uma equipe reduzida de apenas quatro pessoas: um operador de câmera e diretor de fotografia, um produtor, um técnico de som e ela. Na bagagem, todos os equipamentos em dobro. A logística de acesso era tão complicada que não podiam correr o risco de algum deles quebrar.

– O que me chamou a atenção logo de cara foi a paz e a limpeza, organização do lugar, e a distância. Como é longe! – conta Jack.

Durante o processo de filmagem, que durou três anos, a equipe, baseada no Rio de Janeiro, foi quatro vezes à Vila Restauração. Todas as viagens com cerca do mesmo tempo de duração: três dias para chegar, oito dias na Vila e mais três dias para voltar. A primeira vez, em 2019, quando o projeto ainda era uma fagulha nas mentes dos técnicos e gestores da empresa, e a comunidade vivia às escuras, Jack e a equipe ficaram acampados e receberam uma espécie de kit para permanecer por lá: chapéus, redes, tina e canecas para banho (frio, claro), além da lição de que não se chega ao fim do dia sem ao menos três trocas de roupa, tamanho o calor.

– Mas o que mais me impressionou foi ver o presidente da empresa, Ricardo Botelho, chegar lá de canoa – lembra a diretora. – Já fiz muitos trabalhos para grandes empresas ao longo da minha carreira, e nunca tinha visto o presidente ir pessoalmente até um local tão remoto, enfrentando as mesmas dificuldades que todos nós, dormindo sob as mesmas condições que todos ali, tomando banho no rio e falando diretamente para os moradores sobre o projeto. Isso com certeza fez toda a diferença para aquelas pessoas.

Num dos trechos do documentário, o comerciante Aluildo do Nascimento comprova a importância dessa visita de Ricardo:

“Eu passei a acreditar (no projeto) quando vi, se não me engano, o presidente da empresa fazer uma reunião aqui na escola e garantir que era possível a energia chegar aqui por 24 horas”.

Foto mostra o morador da Vila Restauração, Aluidio, em frente à loja que ele agora consegue deixar aberta por mais tempo.
Aluildo do Nascimento, comerciante da Vila Restauração

Uma das cabeças que concebeu e desenhou o projeto desde o início foi a de Frederico Botelho, filho de Ricardo. Atual Engenheiro de Projetos da (re)Energisa, ele acompanhou todas as etapas in loco, num total de seis idas à Vila Restauração, liderando o projeto do início ao fim:

– A operação da Vila Restauração foi pioneira não só dentro da Energisa, como a nível de Brasil. Nunca no país havia sido feita uma operação desse jeito, com tantos desafios – ressalta Frederico Botelho.

Os desafios a que Frederico se refere têm a ver, entre outras coisas, com a estratégia logística necessária para a construção da usina na comunidade. Para conseguirem levar tratores, postes de concreto, baterias pesadíssimas e as delicadas placas solares (que não podiam quebrar de jeito nenhum), foi preciso montar o que Jack chamou de “uma verdadeira operação de guerra”: primeiro, os caminhões saíam de Uberlândia e percorriam 2.400 quilômetros (cerca de 8 dias) até a cidade de Cruzeiro do Sul, no Acre. Depois, feita a baldeação, transferiam todos os equipamentos para balsas de grande porte sem tirar o olho da maré do rio: sendo na cheia, o trajeto duraria por volta de quatro a cinco dias até a Vila Restauração. Com a seca atrapalhando o percurso, os barcos, cujos cascos chegavam a tocar o fundo do rio, demoravam quase oito dias para atracar no seu destino.

Equipes esperam postes e outros itens para construção da usina na beira do rio.

– Foi um aprendizado para a empresa como um todo. Levar energia limpa, descarbonizada, para o meio da Floresta Amazônica, significa um impacto muito positivo para todos, além de um aprendizado tecnológico imenso – afirma Frederico. – E o trabalho fantástico da Jackie em materializar em imagens esse impacto, captando a emoção daquelas pessoas e o que o projeto significou para elas, é muito importante. Fora que o documentário mostra ao público uma outra realidade brasileira, os desafios que a gente enfrentou e a certeza de que isso é possível. Até para que sirva de exemplo para outros projetos semelhantes.

Equipe da filmagem do documentário posa com crianças da Vila que participaram do documentário.