Clientes de Mato Grosso podem pagar contas atrasadas em até 12 vezes no cartão. É mais uma facilidade oferecida pela Energisa

A aposentada Maria da Penha Ataíde da Silva, como muitas pessoas, teve dificuldade para pagar todas as contas da casa por causa da pandemia. Ao acessar os canais digitais da Energisa, Maria ficou sabendo da possibilidade de parcelar a fatura de energia pelo cartão de crédito. Foi uma mão na roda. “Achei uma boa iniciativa e muito fácil de pagar. Fiz tudo de casa, direto pelo celular. Parcelei em duas vezes por causa do meu controle do orçamento da minha casa”, diz a cliente.

Essa é apenas uma das facilidades que a Energisa oferece para o pagamento de contas em atraso. Além do parcelamento pelo cartão de crédito, o cliente pode optar por opções como pagamento com entrada reduzida, descontos e flexibilização das parcelas. 

“A Energisa entende o momento delicado dessa pandemia. Por isso, criamos condições especiais para cada perfil de cliente, com negociações simples e ágeis em todos os canais de atendimento”, afirma Murilo Galvão Marigo, gerente de Serviços Especiais da Energisa Mato Grosso. 

Mais de 100 mil clientes do Grupo Energisa já negociaram suas dívidas, aproveitando todas essas facilidades. Para ter acesso às condições de parcelamento, o cliente poderá acessar os canais digitais: site, APP Energisa On, Gisa ou call center. 

Para negociar pela Gisa, assistente virtual disponível 24 horas por dia pelo WhatsApp, é só escrever Parcelamento e dar início à conversa. Se preferir pelo site, basta acessar a Agência Virtual, realizar o cadastro e selecionar a opção ‘Negociar Dívida’. No APP Energisa On, só clicar no ícone Parcelamento. 

Conheça os dados e a importância da iniciativa de parcelamento da Energisa.

Na pandemia, o endividamento das famílias atingiu um patamar recorde. Um levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revelou que o percentual de famílias com dívidas chegou a 67,1% em junho, o maior desde 2010, início da série histórica. Já o percentual de famílias com contas em atraso chegou a 25,4%, o maior desde dezembro de 2017. Desse grupo, 11,6% declararam não ter condições de pagar suas contas, o que é o maior percentual desde novembro de 2012.