Apoiado pela Energisa, Flor Ribeirinha divulga danças como o siriri e o cururu e leva educação e esporte para crianças e adolescente

Dedicada à preservação e à difusão da cultura popular, a Associação Cultural Flor Ribeirinha se destaca em Mato Grosso pelo trabalho de valorização de algumas das manifestações mais tradicionais do estado, como as danças do siriri e do cururu. Fundada há 28 anos, a entidade conta com o apoio da Energisa para manter suas atividades mesmo em tempos de pandemia. Neste ano, por meio da Lei Rouanet, a distribuidora destinou um repasse total de R$ 200 mil.

Desde que começou a apoiar a associação, já foram destinados pela Energisa recursos da ordem de R$ 1 milhão. Além de divulgar as tradições culturais, o Flor Ribeirinha desenvolve atividades com o objetivo de formar novas gerações de artistas populares e está à frente de projetos que levam cultura, educação e esporte para crianças e adolescente de Mato Grosso.

Entre as áreas de atuação do Flor Ribeirinha estão as oficinas artísticas de artesanato, dança e música, o Cultura nas Escolas, o Flor da Idade (focado na valorização do trabalho em cerâmica das mulheres ribeirinhas) e o Semente Ribeirinha (dedicada a passar as tradições artísticas da comunidade aos pequenos entre 6 e 12 anos).

“A Associação Cultural Flor Ribeirinha é um projeto social que busca o resgate, a manutenção e a divulgação da cultura popular cuiabana. Muito mais do que distribuir energia elétrica, é nosso propósito promover o desenvolvimento sustentável e a qualidade de vida da sociedade, bem como a igualdade social e a preservação do meio ambiente”, diz Riberto José Barbanera, diretor-presidente da Energisa Mato Grosso.

Como lembra Barbanera, a ação junto à Flor Ribeirinha “é mais uma de nossas iniciativas nesse sentido e que nos proporciona muita alegria.” 

Dona Domingas, nascida na comunidade de São Gonçalo Beira Rio, região onde surgiu a cidade de Cuiabá, inicialmente criou o grupo Boa Esperança, ainda na década de 70. Em 1993, surgiu o grupo Flor Ribeirinha, que ganhou novas adesões com o passar dos anos. Hoje são cerca de 70 participantes, entre dançarinos e músicos.

Conheça a história de Dona Domingas uma personagem ilustre do Estado de Mato Grosso

Muitos que atuam nessas diferentes atividades dançam o siriri desde criança, como Mariana Laura, de 22 anos, que começou aos 7 no Semente Ribeirinha. Hoje, a jovem tem no currículo algumas apresentações internacionais e a rotina como voluntária no projeto. “Eu estive no lugar deles e hoje sou instrutora. É muito gratificante compartilhar a nossa cultura com as crianças e fazer parte da história deles com a arte”, comenta. 

A história de Mariana Laura é a prova de que o empenho de Dona Domingas até os dias de hoje continua dando bons frutos. A paixão de Mariana pelo siriri nasceu quando dava os primeiros passos da dança ainda na plateia vendo as apresentações. “Um povo sem cultura é um povo sem identidade. As futuras gerações também precisam ver e sentir a energia do Siriri”, completa Mariana.

Neto de Dona Domingas e coreógrafo do Flor Ribeirinha, Avinner Augusto destaca a relevância cultural da iniciativa: “Durante muitos anos, o siriri era discriminado e motivo de vergonha para a população ribeirinha. Hoje, temos a nossa arte valorizada não apenas em Mato Grosso, mas também em outras regiões do Brasil, além de países da Europa, Ásia e América do Sul.”