Investimento de R$ 170 milhões substituiu três termoelétricas e tem capacidade energética de 100 mil casas populares

A energização de quatro novas subestações construídas pela Energisa nos distritos de Abunã, Vista Alegre, Extrema e Nova Califórnia foi destaque na imprensa local, que mostra a expectativa que havia pela chegada da energia limpa à região. As unidades juntas têm capacidade de 25 MVA, o equivalente ao consumo mensal de 100 mil casas populares. 

Filipe Lima, gerente de obras de alta tensão da concessionária, relata e entrevista ao jornalista Deivde Becker do site Ponta do Abunã, que os moradores acompanhavam diariamente a execução das obras, pois compreendiam a importância dos empreendimentos para o dia a dia. 

“Nesta localidade, a Energisa atua como distribuidora da energia oferecida pelas geradoras, que antes eram termoelétricas, que tinham capacidade limitada e dependiam do óleo diesel. Agora com a conexão ao Sistema Interligado Nacional, os distritos ganham segurança energética para atrair empresas e gerar empregos, pois a energia vem na quantidade e qualidade necessárias”, disse ao explicar que o SIN utiliza diferentes fontes de energia de todo país.

 O investimento de R$ 170 milhões conecta a Ponta do Abunã à energia limpa e de qualidade fornecida pelo ao Sistema Interligado Nacional (SIN), o mesmo que abastece milhões de brasileiros. Também é um marco importante no projeto de descarbonização, pois significa que 92% estão concluídos. 

Rondônia é líder da maior iniciativa de descarbonização do país, liderada pelo Grupo Energisa. 19 termoelétricas a óleo diesel serão desligadas em três estados da Amazônia Legal. Só em Rondônia, serão 13 térmicas, o que evitará a emissão de 293 mil toneladas de CO2 por ano. 

“A última térmica está em Boa Vista do Pacaranã e tem previsão para ser ligada ainda no segundo semestre desse ano. Cada energização de subestação de energia é um passo importante para o meio ambiente, mas, sobretudo são ações concretas dos valores que acreditamos como empresa, de proporcionar desenvolvimento de forma sustentável, regidas pelas premissas ESG (sigla em inglês para ambiente, sustentabilidade e governança)”, declarou.

Assista abaixo a reportagem completa veiculada do site Ponta do Abunã que já teve 3,6 mi visualizações: